200 anos da Barra de Aveiro

Loading...

terça-feira, 23 de outubro de 2007

Evolução da Ria de Aveiro

A ria de Aveiro estende-se, pelo interior, paralelamente ao mar, numa distância de 45 quilómetros e com uma largura máxima de onze quilómetros, no sentido Este-Oeste, desde Ovar até Mira.

A Ria é o resultado do recuo do mar, com a formação de cordões litorais que, a partir do século XVI, formaram uma laguna que constitui um dos mais importantes e belos "acidentes" hidrográficos da costa portuguesa.

Em tempos remotos, a costa apresentaria uma configuração bem diferente da actual. Deveria ser uma imensa baía junto da foz do rio Vouga, com um aspecto semelhante ao representado na figura, ao lado.



Com o passar dos anos, e devido a um lento processo de deposição de areias com formação de cordões dunares litorais, começou a surgir uma laguna com algumas ilhas dispersas no interior, ficando com um aspecto semelhante ao da figura ao lado.



Ao longo dos tempos o processo de formação do cordão litoral de dunas deu origem a uma laguna, na qual desagua o rio Vouga e outros pequenos cursos de água.


Durante vários séculos a ligação com o mar, conheceu diferentes localizações, entre Ovar e Mira, havendo anos em que a laguna ficava completamente isolada do mar, tornando esses períodos de muita pobreza e calamidade para os habitantes de Aveiro.

Foi então que no século XIX, às 7 horas da tarde do dia 03 de Abril de 1808, a Barra de Aveiro foi fixada definitivamente na zona onde actualmente se encontra, permitindo desta forma, com que a ria de Aveiro se tornasse importante meio de comunicação e ligação importantíssimo, para além do belo elemento paisagístico, que tão bem caracteriza esta região.

Sem comentários: