200 anos da Barra de Aveiro

Loading...

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Tesouros "escondidos" na Ria de Aveiro.

Navio do século XV Ria de Aveiro - A


(Clique para visita virtual)

"Em 1992 foi descoberta fortuitamente numa zona intertidal da Ria de Aveiro, junto à praia de Biarritz, na margem oeste do canal de Mira, perto da ponte da Barra uma grande concentração de vestígios de cerâmica. Estes vestígios foram identificados em 1994 como pertencente à carga derramada de um navio que apresentava ainda preservadas estruturas do casco que viriam a ser datadas por radiocarbono do século XV.

Desde 1996 este sítio foi alvo de campanhas anuais de escavação, divididas em duas fases de investigação. A primeira, desenvolvida em colaboração com a Universidade de Aveiro e que teve o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), centrou-se no estudo dos restos do navio, terminando em 1999 com a desmontagem e remoção das suas estruturas preservadas.
A partir de 2001 deu-se continuidade à escavação e ao estudo da carga, novamente com o apoio daquela Fundação.

Os trabalhos desenvolvidos permitiram identificar a metade de popa da carena de um navio de pequena tonelagem, construído segundo a tradição de construção naval ibero-atlântica, própria dos países ibéricos no período da expansãoo (século XV-XVII). Em seu redor, foram recuperados restos da carga, constituída sobretudo por cerâmicas – tigelas, pratos, tachos, alguidares, púcaros, panelas, bilhas ou cantis, cântaros, talhas, penicos, funis, testos e mealheiros - distribuídas por seis fabricos, identificados por observação macroscópica.


Foram ainda recuperados artefactos em madeira, entre os quais uma pá, uma escudela, parte de um barril, vestígios alimentares (castanhas, nozes, grainhas de uva) e peças fabricadas em chumbo. A maior parte da carga derramou-se sobre o lado estibordo da embarcação, bordo sobre o qual o navio acabou por repousar, conservando-se envolto em argilas finas. A interpretação da distribuição dos vestígios permitiu identificar uma camada de ramagens de pinheiro e vides sobre a qual eram acondicionadas as peças de cerâmica, por vezes encaixadas umas nas outras e colocadas no interior das formas de maiores dimensões. Foram também recuperadas duas peças envoltas num tecido grosseiro semelhante a serapilheira.

A última campanha no âmbito deste projecto será realizada entre Maio e Julho de 2005 e prevê a realização de sondagens por escavação em três áreas do sítio, até serem atingidos os níveis estéreis: nas áreas de proa e popa e na parte central da embarcação, atendendo à significativa densidade de vestígios localizados e recuperados até à data. Deste modo pretende-se avaliar a potência estratigráfica dos níveis arqueológicos, compreender o processo de formação do sítio e identificar padrões de distribuição da carga no navio. Com os mesmos objectivos, planeia-se ainda a realização de sondagens em colaboração com o Centro de Paleoecologia e Arqueociências do IPA. A última semana de intervenção será dedicada à protecção integral dos vestígios, que serão futuramente objecto de um plano de monitorização regular."

Fontes: Instituto Português de Arqueologia.
Museu Nacional de Arqueologia.

Links Relacionados:
http://www.urbi.ubi.pt/000131/_private/cult_navios.html

1 comentário:

Anónimo disse...

este e um blog c uma estrutura mt bem definida.tem uma boa apresentaçao.parabens