200 anos da Barra de Aveiro

Loading...

segunda-feira, 31 de março de 2008

O Mar - em Sophia de Mello Breyner Andresen - II

Mar

Mar, metade da minha alma é feita de maresia
Pois é pela mesma inquietação e nostalgia,
Que há no vasto clamor da maré cheia,
Que nunca nenhum bem me satisfez.
E é porque as tuas ondas desfeitas pela areia
Mais fortes se levantam outra vez,
Que após cada queda caminho para a vida,
Por uma nova ilusão entontecida.

E se vou dizendo aos astros o meu mal
É porque também tu revoltado e teatral
Fazes soar a tua dor pelas alturas.
E se antes de tudo odeio e fujo
O que é impuro, profano e sujo,
É só porque as tuas ondas são puras.


Autor:Sophia de Mello Breyner Andresen

Memórias VII

Postal do Forte da Barra - Ao fundo a Torre de Sinais


Postal do Forte da Barra - Antiga ponte de madeira de acesso à Barra

Selos: Os Navios dos Descobrimentos

Esta é mais uma obra da autoria dos serviços técnicos e artísticos dos CTT. Representam os Navios dos Descobrimentos, a Caravela, a Nau e o Galeão, todos eles do século XVI.
Foram impressos cerca de 1 milhão de selos com a taxa de 35$, os restantes foram impressos cerca de 600 mil. Ainda foram emitidas 50 mil carteiras com o conjunto dos quatro selos, com um valor facial de 300 $. Estes selos entraram em circulação a 27 de Maio de 1991.

Séc: XVI - Caravela Redonda

Séc: XVI - Nau

Séc: XVI - Nau

Séc: XVI - Galeão

domingo, 30 de março de 2008

Valorização económica do salgado de Aveiro



Elaborado pela empresa MultiAveiro, no âmbito do projecto transnacional Sal do Atlântico Interreg IIIB, de que a Câmara Municipal de Aveiro foi parceira, o Estudo de revitalização e valorização económica do Salgado de Aveiro aborda uma das actividades socioeconómicas tradicionais de Aveiro: a salicultura. Paralelamente a uma parte de diagnóstico da actividade, o documento congrega ainda os cenários possíveis para o futuro da produção artesanal do sal e apresenta um plano de acção com o intuito possibilitar a sua revitalização.
Veja aqui o resultado do estudo.

Para que o salgado conheça uma nova força, relevância, interesse e mais qualidade, são apresentadas algumas alternativas à situação actual, como por exemplo:
  • a musealização do salgado, os apoios ao investimento material e imaterial, na recuperação das marinhas e no produto delas resultante;

  • o desenvolvimento de estratégias de diferenciação: promoção do salgado enquanto produto turístico da Região Centro e da Cidade de Aveiro;

  • geração de novas procuras e alteração de estratégias de produtores e proprietários;

  • a alteração da legislação de comercialização do sal;

  • a clarificação de regras de relação entre proprietários e produtores (mobilização de proprietários e produtores para a adopção de novas estratégias) e tornar este sector atractivo.

Para tal é necessário haver exigência na intervenção da Administração Pública e esforço de concertação entre os agentes envolvidos. Importa ainda destacar o Plano de Acção que o estudo propõe para atingir os objectivos assinalados:

  • criação da Associação de Desenvolvimento do Salgado;

  • Plano de Formação dos Marnotos através da Certificação da profissão do marnoto, a melhoria das habilitações e a formação em gestão;

  • recuperação das salinas;

  • a certificação e garantia da qualidade (ordenamento do salgado, sistema de garantia de qualidade a certificação de origem) são outras actividades apontadas.

  • Quanto ao sal, este deve ser promovido, comercializado e reforçado com um plano de marketing, e deveria ser criado um Observatório do mercado do Sal. Numa perspectiva de divulgação, a actividade museológica deverá ser diversificada através de uma campanha junto da comunidade escolar e da concepção de actividades lúdicas associadas ao salgado.

  • No que concerne ao turismo, poder-se-ia fazer uma campanha de divulgação junto dos agentes turísticos, criar uma página sobre o sal de Aveiro e a realização de uma feira do sal anualmente.

Neste momento o salgado de Aveiro conhece várias dificuldades que devem ser ultrapassadas, nomeadamente, a comercialização de sal em pequenas quantidades com características específicas; a inexistência de medidas articuladas de protecção da qualidade das águas; a ausência de protecção social e de competências de gestão dos marnotos; falta de apoios ao investimento na promoção e recuperação do salgado (ausência de promoção turística do salgado); e diminuição da capacidade atractiva.

Fonte: Câmara Municipal de Aveiro.

sexta-feira, 28 de março de 2008

200 Anos da Barra de Aveiro: Programa do dia 03 de Abril de 2008

É já na próxima quinta-feira, dia 03 de Abril que se celebra os 200 Anos da Abertura da Barra de Aveiro, como já foi anunciado, para esse dia estão previstos uma serie de eventos e como o barramar gosta de manter actualizados todos os seus leitores, aqui fica o programa, para esse dia tão importante para toda a região....

Acto I
Local: Edifício da Antiga Capitania do Porto de Aveiro, Centro Histórico de Aveiro.
16:00 Recepção dos convidados
16:20 Lançamento do Livro de Inês Amorim - "Porto de Aveiro: Entre a Terra e o Mar", Sala Plenária
17:00 Inauguração da Exposição de Cartografia: "A Barra e os Portos da Ria de Aveiro, 1808-1932", Arquivo Histórico da Administração do Porto de Aveiro

Acto II - Sessão Solene

Local: Praia do Farol, Barra
18:00 Welcome Drink
19:00 RONCA DO FAROL
Honras a Terra - Navios da Armada
19:15 Peça Musical em ode aos 200 anos pelo Grupo Coral do Porto de Aveiro com Quinteto de Metais
19:30 Actos Simbólicos
19:45 Bererete
20:15 Fim
Acto III
Local: Centro Cultural e de Congressos de Aveiro*
21:30 Concerto da Banda da Armada, aberto à comunidade
23:00 Encerramento
*Entrega de convites para o Espectáculo no local da Sessão Solene.

Fonte: Porto de Aveiro

Parques eólicos na Ria


O estuário do Tejo, a Ria de Aveiro e a península de Tróia podem vir a acolher parques eólicos. As turbinas assentam no fundo do mar, em águas pouco profundas, e produzem energia para consumo local. Daqui a seis anos a capacidade eólica em território continental português esgota-se e o passo seguinte é a construção de parques eólicos no mar, onde o potencial é ilimitado.

Em 2007 foram investidos €19 mil milhões na energia eólica a nível mundial. Portugal é o décimo país em todo o mundo a investir neste tipo de energia. Ao mesmo tempo, a integração de eólicas em edifícios urbanos começa a ganhar adeptos a nível mundial. O objectivo é torná-los, tanto quanto possível, auto-suficientes em termos energéticos.
Fonte: Expresso

quinta-feira, 27 de março de 2008

Peça de Teatro "Mar" de Miguel Torga

Já dizia o velho ditado "O sonho comanda a vida", e foi do sonho de três homens (Humberto Rocha, Manuel Cruz Caçador e Sargento Padilha) que surgiu o primeiro grupo de teatro amador na Gafanha da Nazaré. Apesar das dificuldades económicas... e não só, em manter este tipo de arte, a força e o entusiasmo das gentes da terra, era mais que muito. E foi então que a 27 de Setembro de 1973, surge o Grupo Activo de Teatro Amador (G.A.T.A.).

Curiosamente a primeira peça a ser encenada, por este grupo de artistas amadores, foi a peça de Teatro "Mar" de Miguel Torga, onde é abordada a vida dos pescadores do bacalhau, os seus anseios e as suas incertezas...

A peça estreou a 13 de Julho de 1974, no Salão Paroquial da Casa do Povo da Gafanha da Nazaré com lotação esgotada... E foi um verdadeiro sucesso. Aqui fica a foto de todo o elenco...


Fotos In: Boletim Cultural da Gafanha da Nazaré N.º 1 - 1.º Semestre de 1985 - Ano I.

quarta-feira, 26 de março de 2008

Selos: Os Descobrimentos Portugueses

Esta é uma composição de selos emitida pelos CTT, os desenhos são da autoria de Luís Filipe de Abreu e representam os "500 Anos do Início da Viagem de Bartolomeu Dias". Foram emitidos cerca de 1 milhão de selos de cada um dos desenhos, ambos com a taxa de 25$00 e foram colocados em circulação a 27 de Agosto de 1987.

1º Selo - Partida de Lisboa a 1487
2º Selo - Padrão deixado por Bartolomeu Dias na Costa Africana em 1488

Nesta composição foram emitidos também cerca de 1 milhão de selos de cada um dos desenhos, mas desta vez com a taxa de 27$00, começaram a circular a 3 de Fevereiro de 1988, são do mesmo autor e representam uma vez mais os "500 Anos do Início da Viagem de Bartolomeu Dias".

1º Selo - Bartolomeu Dias dobra o Cabo da Boa Esperança em 1488
2º Selo - Regresso a Lisboa em 1488

terça-feira, 25 de março de 2008

Blog: Artes Romão

No passado dia 19 de Março, recebi um simpático comentário da Rita Merendeiro, uma aveirense de gema, amante da região, do mar e de tudo que envolva arte... Como sou curiosa por saber um pouco mais acerca de quem passa pelo barramar.blog, fui dar uma olhadela ao blog da sua autoria... o Artes Romão e fiquei surpreendida com o talento desta jovem. Por isso decidi trazer-vos uma pequena amostra daquilo que poderá descobrir em: http://artesromao.blogspot.com/.

Memórias VI

Postal de Aveiro: Os Moliceiros de velas pandas na Ria.

Postal de Aveiro: 1969 - Barco Moliceiro junto à lota de Aveiro, à entrada do canal da pirâmides
Postal de Aveiro: Barco Moliceiro carregado de moliço.

Memórias V

Postal de Aveiro: As Canastras do Sal

Postal de Aveiro: Cobertura da neve salgada

Postal de Aveiro: Os Marnotos a preparar o Sal

Postal de Aveiro: As Salinas

segunda-feira, 24 de março de 2008

V Concurso de Fotografia “Olhos sobre o Mar”


No seguimento do grande sucesso obtido com a realização das edições anteriores do Concurso de Fotografia “Olhos sobre o Mar”, quer ao nível da quantidade quer ao nível da qualidade dos trabalhos recebidos, o Executivo Municipal aprovou as Normas de Participação no V Concurso de Fotografia “Olhos sobre o Mar”.

Este concurso conta mais uma vez com o apoio do Centro Português de Fotografia/Ministério da Cultura, da revista FotoDigital e do Diário de Aveiro. O concurso, será de âmbito nacional, nas categorias cor e preto/branco, decorrendo até ao dia 16 de Junho.

Atendendo ao facto de se viver este ano o 110º aniversário da Restauração do Município de Ílhavo é excepcionalmente criada uma Secção Especial denominada “Património Histórico-Marítimo Ilhavense”, à qual cada fotógrafo poderá concorrer com uma fotografia em cada uma das categorias (cor e p/b), que retrate a temática. A entrega dos prémios acontecerá em Agosto, mês em que os 50 melhores trabalhos irão ficar expostos na Sala de Exposições Temporárias (Porão de Salgado) do Navio Museu Santo André.

Mais informações na Câmara Municipal, através do telefone 234 329 602 ou do e-mail geral@ilhavo.pt.

Fonte: Câmara Municipal de Ílhavo.

sexta-feira, 21 de março de 2008

Ria de Aveiro entre as áreas prioritárias para defesa do litoral


A Ria de Aveiro foi confirmada esta quinta-feira pelo Governo entre as três áreas de intervenção prioritária para operações de requalificação e valorização do litoral, embora não tenha sido ainda aprovada a criação da sociedade Polis para a gestão do território lagunar.

Além da laguna, estão abrangidos o Litoral Norte e a Ria Formosa.
Estado, municípios e entidades privadas vão ser envolvidos no programa que contará com fundos comunitários no âmbito do QREN.

O Conselho de Ministros aprovou, no entanto, apenas o Decreto-Lei que constitui a sociedade Polis Litoral Ria Formosa – Sociedade para a Requalificação e Valorização da Ria Formosa, uma sociedade anónima de capitais exclusivamente públicos para a gestão, coordenação e execução do investimento a realizar.

Segundo o ministro do Ambiente, Nunes Correia, que falava no final do Conselho de Ministros, o Polis da Ria de Aveiro vai incluir 11 municípios que circundam a praia e prevê "sistemas de protecção contra a erosão costeira" e a requalificação de "todas as zonas urbanas que confrontam com a ria e a zona de mar".

A resolução do Governo determina nas áreas de intervenção prioritária a realização de um conjunto de operações de requalificação e valorização de zonas de risco e de áreas naturais degradadas situadas no litoral.

O Polis Litoral – Operações Integradas de Requalificação e Valorização do Litoral surge com vários objectivos, entre os quais potenciar os recursos ambientais como factor de competitividade; proteger e requalificar a zona costeira; prevenir e defender pessoas, bens e sistemas de riscos naturais ou promover a fruição pública do litoral, suportada na requalificação dos espaços balneares e do património ambiental e cultural.

O modelo de intervenção será estruturado num Plano Estratégico e na criação de uma entidade gestora com a natureza de empresa pública de capitais exclusivamente públicos que associa o Estado, com participação maioritária, e os municípios territorialmente abrangidos, “a quem incumbe a gestão, coordenação e execução das operações de requalificação e valorização definidas”.

Fonte: Notícias de Aveiro.

quinta-feira, 20 de março de 2008

Selos: Cartografia Portuguesa

Esta é mais uma emissão de selos comemorativa lançada pelos CTT, representa a Cartografia Portuguesa, foram colocados em circulação em 1997, e os desenhos são da autoria de Vítor Santos.

1529 - Planisfério de Diogo Ribeiro


1540 - Carta do Atlas de João Freire

1519 - Carta do Atlas de Lopo Homem-Reinel

quarta-feira, 19 de março de 2008

Artesão: José Alberto Ferreira


Nascido em Ílhavo a 06 de Janeiro de 1946, José Alberto Malaquias Ferreira é um conhecidíssimo artesão da região.
Em 1964 tirou o curso de Serralharia Mecânica na Escola Industrial e Comercial de Aveiro, e em 1969 concluiu o curso de Engenheiro Maquinista na Escola Náutica de Lisboa.


O seu interesse pela arte de colocar barcos dentro de garrafas, surgiu a partir de 1982, em conjunto com o seu sogro Samuel Corujo, mas só a partir de 2001, altura em que se reformou da Marinha Mercante, é que se dedicou de formar mais activa a esta forma de arte. Faz miniaturas de barcos, sobretudo antigos veleiros usados na pesca do bacalhau, e coloca dentro de garrafas de vidro. Os barcos são introduzidos nas garrafas pelo gargalho, com os mastros e o velame completamente arreados, que depois são erguidos dentro da garrafa, à custa de um paciente e minucioso trabalho.

Já participou em várias feiras de artesanato da região de Aveiro (FARAV) e exemplares da sua obra como artesão podem ser encontrados espalhados por todo o mundo.

Fonte: http://barcosemgarrafas.no.sapo.pt/

CHIC homenageia Padre António Vieira


Um ano depois de ter largado do Porto de Aveiro, chegou ao fim no passado dia 07 de Março a expedição marítima, a bordo do elegante veleiro CHIC (Cruzeiro Histórico Identidade e Cidadania), depois de se ter aventurado nas águas do Atlântico, percorrendo o caminho marítimo que há cerca de 400 anos o padre António Vieira também conheceu.

A expedição marítima está integrada no projecto “ICIPAV.2008 – Identidade e Cidadania: Padre António Vieira 2008”, em associação com o Mestrado em Ciências da Educação, ministrado pelo Departamento de Ciências da Educação da Universidade de Aveiro. A coordenação do projecto, que ficou a cargo de Abreu Freire, faz parte da programação comemorativa do Ano Vieirino.

Fotos: Universidade de Aveiro

terça-feira, 18 de março de 2008

Aveiro: 1º Circuito de Canoagem SCA / VERA CRUZ


É já na próxima Sexta-feira, dia 21 de Março, pelas 15.00 horas, que se realiza o primeiro Circuito de Canoagem SCA/Vera Cruz, com partida do Cais da Fonte Nova.
A organização do evento desportivo é da Secção de Canoagem do Sporting Clube de Aveiro, Associação de Canoagem de Aveiro e Junta de Freguesia da Vera Cruz.
Com este evento, pretende-se promover a Canoagem, a Ria e a Cidade de Aveiro.
Para mais informações, consulte o site: http://www.sportingcaveiro.pt/

Fonte: Sporting Clube de Aveiro

segunda-feira, 17 de março de 2008

Selos: Faróis dos Açores

Foi em 1996 que os CTT emitiram uma série de selos alusivos aos faróis dos Açores tendo como base os desenhos da autoria de Vítor Santos. Estes selos entraram em circulação a 03 de Maio de 1996, quanto ao seu valor facial e quantidades impressas, distribuem-se da seguinte maneira:

47$ Farol das Contendas — Ilha Terceira — 1 000 000;

78$ Farol do Molhe do Porto de P. Delgada — Ilha de São Miguel — 500 000;

98$ Farol do Arnel — Ilha de São Miguel — 500 000;

140$ Farol de Santa Clara — Ilha de São Miguel — 500 000;

200$ Farol da Ponta da Barca - Ilha Graciosa- Bloco com um selo — 80 000.

Ilha Graciosa -Ponta da Barca


Ilha S. Miguel - Molhe do Porto de P. Delgada


Ilha S. Miguel - Santa Clara


Ilha S. Miguel - Arnel

Ilha Terceira - Contendas

quinta-feira, 13 de março de 2008

Curso Avançado de Pós-Graduação em Logística e Gestão Portuária


O Instituto Superior de Ciências da Informação e da Administração (ISCIA), em Aveiro, vai levar a cabo um curso avançado de Pós-Graduação em Logística e Gestão Portuária que contará com a participação de alguns especialistas do Porto de Aveiro, nomeadamente: Dr. Carlos Oliveira, Mestre Luís Marques, Dr. Carlos Oliveira, Comandante Isa Cardoso, Mestre Isabel Ramos, Dr. Manuel Azevedo Mendes, Coordenação de Dr. Carlos Oliveira.

O curso terá lugar entre finais deste mês de Março e Dezembro de 2008, estando estruturado em 60 ECTS, incluindo a realização de um Projecto de Investigação. Para mais informações clique aqui.

Fonte: http://www.iscia.edu.pt/

quarta-feira, 12 de março de 2008

O farol, um amigo - por Manuel Olívio da Rocha

Ainda de Pedra em Pedra... por Manuel Olívio da Rocha, um gafanhão, já há muitos anos radicado no Porto, recorda com "graça" as suas brincadeiras de infância, passada na Gafanha da Nazaré, junto da Ria.


O Farol, um amigo.

"Hoje, afeitos aos truques electrónicos, quase não ligamos à luz do Farol.
À noite, entrava-me pela janela o foco e, eu e meu irmão, entretínhamo-nos a contar o tempo de uns sinais para os outros.
Aguçava a nossa curiosidade e regularidade dos ditos sinais. Como é que eles faziam isso? E para que servia?
… Os pescadores contavam-nos casos vividos por eles em que, se não tinham naufragado, o deviam aos faróis que os avisavam do perigo…
Então ainda gostávamos mais daquela luz. Era como se um Amigo nos entrasse pela janela. E adormecíamos bem acompanhados…"

In: Boletim Cultural da Gafanha da Nazaré N.º 1 - 1.º Semestre de 1985 - Ano I.

Barra de Aveiro e as comemorações dos 200 anos

No próximo dia 3 assinalam-se os 200 anos da Barra de Aveiro, que serão comemorados com a apresentação de um livro e a inauguração de uma exposição cartográfica. As comemorações prosseguem durante o ano, com destaque para uma conferência internacional (Maio), a Regata dos 200 Anos (Junho), e a Tall Ships Race Regata (Setembro).


A Administração do Porto de Aveiro (APA) realizou, ontem, uma conferência de imprensa, com vista a apresentar o programa comemorativo dos 200 anos da abertura da Barra de Aveiro, que se assinalam no próximo dia 3. Nesse dia, destaque para a apresentação da obra «Porto de Aveiro: Entre a Terra e o Mar» e para a inauguração de uma exposição de cartografia, intitulada «A Barra e os Portos da Ria de Aveiro 1808 – 1932, no Arquivo Histórico da Administração do Porto de Aveiro», que ficará patente na antiga Capitania do porto de Aveiro. A apresentação do livro estará a cargo de Veloso Gomes, engenheiro hidráulico, e de Inês Amorim, professora de História na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. A historiadora é, também, comissária da exposição, a par com João Garcia. Os dois especialistas foram responsáveis por inventariar, durante mais de um ano, parte do espólio do arquivo do Porto de Aveiro, tratando-se a APA da única administração portuária a proceder a este tipo de trabalho.


Alguns dos documentos e peças deste arquivo foram já disponibilizados a outras entidades, nomeadamente, ao pelouro da Cultura da autarquia aveirense e ao Museu Marítimo de Ílhavo.

Ao final da tarde deste dia, terá lugar o Roncar do Farol, com honras a Terra, por navios da armada, seguindo-se a apresentação da peça musical propositadamente criada para assinalar esta data. A música será interpretada pelo Coro da Casa do Pessoal com Quinteto de Sopro.
O fim do dia, que será aberto a toda a comunidade, conta com um concerto da Banda da Armada, a ter lugar no Centro Cultural e de Congressos de Aveiro. As comemorações prolongam-se pelo resto do ano, com a realização de actividades várias, das quais se destaca uma conferência internacional sobre «Obras Marítimas e Portuárias», no dia 30 de Maio. Este encontro contará com a presença de representantes de projectos em curso neste âmbito, do Dubai e de Sevilha.

A 14 e 15 de Junho, terá lugar a Regata dos 200 Anos de Abertura da Barra de Aveiro, e de 20 a 23 de Setembro, a Tall Ships Race Regata, que parte de Falmouth em direcção ao Funchal, escalando no porto de Aveiro, numa parceria entre a APA e a autarquia ilhavense.

Obras rondam os 30 milhões

O presidente da APA, José Luís Cacho, esclarece ontem que foi realizado um estudo prévio para definir a solução técnica a ser implementada ao nível da obra marítima de prolongamento do molhe Norte do porto, e que esta será, agora, objecto de um projecto de execução, adiantando que o custo desta obra oscilará entre os 20 e os 30 milhões de euros. Quanto ao seu arranque, o responsável assegura que: «Estamos a fazer todos os esforços no sentido de conseguir que a obra tenha início ainda no final deste ano, ou princípio do próximo», sublinhando que, para uma obra desta dimensão, «é sempre preciso dois Invernos, como se costuma dizer na gíria da engenharia».

O objectivo desta obra é, segundo José Luís Cacho, aumentar a capacidade do porto de Aveiro no que respeita à dimensão dos navios que recebe, tanto ao nível de comprimento, como de calado. Com estas construções, passará a poder acolher navios até 200 metros de comprimento. «É um processo evolutivo, mas a obra está direccionada para esse objectivo, tal como já temos vindo a crescer no calado dos navios». Este está relacionado com as quotas dos fundos do canal, sendo, actualmente, de -11 metros. «Este ano, vamos efectuar uma dragagem que permitirá aumentar o calado da Barra para -12,5 metros». O presidente desta administração portuária reitera que o objectivo estratégico do porto passa por «alargar o seu forland». Com isto, «procuramos atingir novos mercados» que, até hoje, não se encontravam no seu horizonte, principalmente, o africano e o asiático. No que diz respeito ao concessionamento do terminal de contentores, que está previsto para 2010, «já temos alguns contactos internacionais interessados em investir na nossa plataforma logística». José Luís Cacho aguarda pela conclusão da ligação ferroviária ao porto, que considera ser determinante para o sucesso desta operação. Quanto à sua conclusão, esta encontra-se dentro do prazo estabelecido pelo Governo, ou seja, o final do próximo ano.

Porto com quebra de movimento

A administração refere que o movimento do Porto de Aveiro registou «uma ligeira quebra» no ano passado, relativamente a 2006, que se traduz em cerca de dois por cento. De acordo com José Luís Cacho, esta quebra foi motivada pela diminuição do movimento da carga geral, sendo que os granéis alimentares registaram uma quebra acentuada, o que o administrador justifica com os efeitos da globalização. A expectativa para este ano consiste em «retomar os ritmos de crescimento que se têm verificado nos últimos anos», mostrando-se confiante em atingir um crescimento de dez por cento, «que seria um resultado histórico para o porto de Aveiro». Essa evolução assenta na «retoma da carga geral que se tem vindo a perder», na implementação de novos projectos agro-alimentares, designadamente, o da Socarpor, que «pode trazer tráfego novo ao porto», e no crescimento dos granéis líquidos, com a entrada em funcionamento dos projectos da BP e da Martifer.

Apesar da quebra registada, José Luís Cacho considera que: «2007 foi um ano que excedeu as expectativas iniciais, porque conseguimos cumprir todos os objectivos a que nos tínhamos proposto». A este respeito, o presidente da APA refere que estes chegaram mesmo a ser ultrapassados, do ponto de vista financeiro, contrariando o ritmo que se registou até 2005. «Conseguimos recuperar e entrar num processo de estabilização, que precisará de ser consolidado nos próximos anos», frisa, dando o exemplo de que a execução desta obra de ampliação «não era possível há três anos atrás». Congratulando-se com o volume de negócios atingido, que foi de 12 milhões de euros, José Luís Cacho lembra que, no passado, o porto sustentava-se pela receita proveniente da comercialização de inertes, sendo que, hoje em dia, os seus resultados provêm, maioritariamente, das receitas de exploração, a actividade principal da empresa.


Fonte: Diário de Aveiro.
Fotos: Porto de Aveiro

terça-feira, 11 de março de 2008

Canção de Aveiro: MOLICEIRO


I
Meia-noite ria abaixo
Lá vai lesto o moliceiro
Vai retratando nas águas
As saudades do barqueiro

II
Nas noites em que há luar
Quando passas moliceiro
És das coisas mais bonitas
Que tem a ria de Aveiro

REFRÃO
Ai, ai, ai, lindo moliceiro
Deixa-me ir contigo à ria de Aveiro
À ria D'Aveiro à ria sem par
Lindo moliceiro que andas a vogar
Que andas a vogar na ria d'Aveiro
Deixa-me ir contigo, lindo moliceiro

Fonte: Confraria São-Goncalo.

segunda-feira, 10 de março de 2008

Caldeirada de Enguias à moda de Aveiro

Por gostarem de água salgada, salobra e doce, as enguias (peixes com forma de serpente e pele viscosa), abundam na Ria de Aveiro e representam um verdadeiro ex-líbris gastronómico da região... Esta é a zona ideal para degustar a célebre caldeirada de enguias...
Para abrir o apetite, deixo-vos aqui a receita... a imagem fala por si.


Ingredientes:
1 kg de enguias
600 g de batatas
1 dl de azeite (bom)
1/2 copo de vinagre
4 dentes de alho
2 cebolas grandes
1 folha de louro
1 ramo de salsa
4 tomates
1 copo de vinho branco
1 copo de água
sal grosso,piri-piri

Modo de Preparar:

Amanham-se as enguias com areia, lavam-se em várias águas e esfregam-se com sal para retirar os resíduos viscosos.

Cortam-se em bocados. Descascam-se as batatas e cortam-se às rodelas grossas. Descascam-se as cebolas e cortam-se também às rodelas, desfazem-se os tomates.

Num tacho largo colocam-se as cebolas, as batatas, os tomates e as enguias em camadas alternadas. Cada camada é regada com azeite e
e temperada com alho, louro, salsa, sal e piri-piri. Por fim rega-se com vinho branco e um copo de água. Tapa-se o tacho e deixa-se cozer a caldeirada entre 20 a 30 minutos.

Depois das enguias cozidas retira-se um pouco do caldo da caldeirada para uma tigela, pica-se um dente de alho e salsa e junta-se o vinagre; mexe-se, deita-se sobre as enguias e as batatas, tapa-se o tacho e apaga-se o lume. A caldeirada
está pronta a servir.

Com o resto do caldo da caldeirada faz-se uma sopa, a que se junta apenas pão torrado e um ramo de hortelã.

sexta-feira, 7 de março de 2008

APA: Abre concurso para reconfiguração da Barra de Aveiro


A Administração do Porto de Aveiro abriu concurso para a elaboração do Projecto de Execução da Reconfiguração da Barra do Porto de Aveiro. A obra consiste no prolongamento do actual molhe norte em mais 200 metros e nova definição do canal de acesso ao porto. O preço base do concurso é 250 000 euros para um prazo de execução de 150 dias. As propostas devem ser entregues até 1 de Abril próximo.


Foto: Porto de Aveiro.

quinta-feira, 6 de março de 2008

Selos: Faróis da Costa Portuguesa


No ano de 1987, os CTT emitiram uma série de selos alusivos aos faróis da costa portuguesa. Nesta emissão filatélica, o farol de Aveiro (o mais alto de país com 62 metros de altura), não poderia deixar de estar representado.

Estes selos tiveram como base desenhos da artista Maluda. Desta emissão, com valor facial de 25$00, foram impressos 1 milhão de selos de cada um dos faróis aí retratados: Farol de Aveiro, Farol da Berlenga, Farol do Cabo Mondego e Farol do Cabo de S. Vicente.

Paralelamente ao valor facial das peças filatélicas, estas poderão valorizar-se através de outros “ingredientes”.

É que acontece neste caso concreto, com o bloco da emissão filatélica a surgir assinado pela autora dos desenhos (Maluda).

Uma simples assinatura poderá transformar uma normalíssima peça filatélica numa preciosa raridade.

Fonte: Porto de Aveiro